Viagem
Conhecendo o Chile de norte a sul
Fotografia
6 on 6: abril de 2017
Fotografia
6 on 6: agosto de 2017
Dicas
Siga a Minka Winka nas redes sociais
Ilustração
Usando bico de pena pela primeira vez

faber castell

Continue Lendo

Olá, pessoal. Tudo bem?
Quem me conhece sabe que adoro fazer desenhos tradicionais e pintá-los com lápis de cor. Essa minha paixão começou quando eu ainda era bem pequena e, desde então, o lápis de cor sempre foi meu companheiro.

Aprendi na marra a pintar, nunca fiz curso e nem nada parecido, e por isso, nesses anos de experiência, desenvolvi algumas técnicas próprias até a pintura se tornar algo natural para mim.

Ninguém nunca vai dominar a técnica de pintar, mas se pode adquirir certa qualidade, com muito esforço, estudo e dedicação.

Que tal compartilharmos nossos conhecimento acerca da arte de colorir e aprendermos juntos diferentes truques?

Me contem suas dicas, as marcas que usam, os tipos de papel, e continuem lendo que logo abaixo eu conto meus macetes.

Dicas para colorir com lápis de cor

1// Papel

Dependendo da época do ano, as folhas de papel estão com muita umidade, dificultando a pintura. Nesse estado, os papéis não desgastam tanto o lápis de cor, fazendo com que você demore mais a pintar determinada área. Além disso, dependendo da pressão que você põe no lápis, “barrigas” vão se formando na área pintada. Um truque que sempre uso é passar o papel com ferro de passar roupa. É ótimo! Façam isso e vocês vão sentir a diferença. Ah! E antes que me esqueça, costumo utilizar o papel sulfite comum da Chamex, desses que vem em resmas.

2// Superfície

Escolha sempre uma superfície lisa e dura para pintar. Há quem goste de pintar sobre a prancheta ou até mesmo sobre a pilha de papel, mas a dica aqui é a seguinte: tente sempre pintar em uma superfície de vidro. Por quê? Porque essas superfícies não são ásperas e, assim, as marcas do lápis não ficam tão evidentes, tornando a pintura mais homogênea.

3// Lápis de cor

Possuo três marcas de lápis de cor: Faber Castell, Prisma Color e Caran D’ache, e as três possuem características muito distintas entre si. A Faber Castell possui lápis mais duros se comparados às outras e, por demorarem mais a desgastar, permite que a pessoa controle a intensidade da cor, o que dá menos margem para erros. Por possuírem essa característica, gosto sempre de fazer a base da pele, cabelo e roupas com esses lápis.

A marca Prisma Color tem lápis muito macios, necessitando de pouca pressão para conseguir tons mais escuros. Por causa dessa característica, não costumo utilizá-los como cor base da pele, por exemplo. Utilizo para sombras e pequenos detalhes.

Os lápis Caran D’ache são um caso à parte. Eles possuem cores que não são comuns aqui no Brasil e, por causa disso, uso sem critério, aproveitando a pigmentação conforme vou pesando a mão.

lapis-de-cor_1

4// Esfuminho

Esfuminho é um rolo de papel em forma de lápis que tem como função tornar mais uniforme o grafite, mesclando a pintura até ficar homogênea. Esse material é mais indicado para lápis grafite, mas nada impede que seja utilizado em pintura com lápis de cor. É necessária muita força no pulso e paciência, mas juro que no final o efeito fica lindo.

5// Lápis branco

Muitas pessoas se perguntam qual a verdadeira função do lápis branco. A resposta é muito simples: pintar branco em papéis coloridos. Sim! Essa é a função dele, como a de qualquer outro lápis. Mas o que vou falar agora é uma dica preciosa. Por que não utilizar o lápis branco como esfuminho? E é essa a função que eu dou para eles. Sempre que pinto uma área e vejo que não ficou tão uniforme a pintura, já venho com o lápis branco e mesclo as cores. É batata!

6// Movimentos

O movimento feito ao colorir é fundamental para conseguir uma pintura uniforme. Utilizo três movimentos básicos: redondo, vai e vem e aperta e puxa.  O movimento redondo é utilizado para pintar áreas pequenas e com detalhes; o vai e vem é ideal para áreas maiores; e o aperta e puxa é mais indicado para cabelos. Um detalhe importante é que sempre mudo a intensidade da cor. Em todos os movimentos eu começo pintando mais escuro e vou diminuindo a pressão para que a cor varie até o branco, facilitando para o mesclagem, o último passo.

lapis-de-cor_2

7// Mesclar

Para mesclar diferentes cores, eu começo colocando mais pressão no início e vou diminuindo até a cor chegar ao branco, tomando cuidado para a transição das cores ficar gradual. Depois disso, pego a segunda cor e repito o processo por cima, mas dessa vez com menos intensidade no início e mais pressão no final, para a cor mesclada ficar inteiramente com a mesma intensidade.
Esse é o método que utilizo para pintar meus desenhos e tenho me saído muito bem com ele. Espero que essas dicas funcionem para vocês também.

Caso tenha interesse em saber mais sobre esse assunto, acesse também 7 dicas imperdíveis para colorir com lápis de cor #2 e Materiais de desenho.

Obrigada pela visita e até mais!

 Facebook  |  Twitter  |  Instagram da Mariana  |  Instagram da Nayara  |  DeviantArt  | Bloglovin’

Gostou? compartilhe
postado por
Mariana
Gêmea mais nova e fissurada por jogos de tabuleiro. Amante das artes e fascinada por fazer as coisas com as próprias mãos. Se não consegue encontrar na loja o que deseja, vai lá e faz.
Continue Lendo

Olá, pessoal. Tudo bem?

Quando a Mariana escreveu o 7 dicas imperdíveis para colorir com lápis de cor #1, nós duas não tínhamos feito nenhum curso de pintura com lápis de cor e, portanto, as técnicas apresentadas eram fruto da nossa experiência prática de anos de desenho. Mas hoje, depois de ter feito um extenso curso de pintura com lápis de cor voltado para ilustração científica, sinto que temos mais conteúdo para apresentar.

Querem aprender como pintar com lápis de cor e colorir de forma realista?

Então, bora lá!

como pintar com lápis de cor

1// Óleo mineral

Assim como o lápis de cor aquarelável é diluído em água, o lápis de cor comum é dissolvido em óleos. Para que sua pintura fique uniforme, o ideal é passar um pouco de óleo mineral com um cotonete sobre a base da sua pintura e esfregar suavemente até preenchê-la por completo. O resultado fica perfeito, bem lisinho e homogêneo, pronto para serem feitas as sombras e os detalhes. Se a ponta do cotonete for muito grande comparado à área que você deseja uniformizar, use um daqueles cotonetes de maquiagem com a ponta cônica, ele é perfeito para áreas menores. Só cuidado para não usar óleo demais e deixar o papel transparente e encharcado, ok?

2// Boleador ou estilete

Para dar um melhor acabamento em cabelos, é recomendado usar um boleador fininho antes do início da pintura. Passe o boleador pelo comprimento do cabelo, de cima para baixo, marcando alguns fios. Esse processo cria sulcos no papel, que não vão ser preenchidos quando você pintar o cabelo. Se você não tiver um boleador, use uma caneta esferográfica sem tinta que dá o mesmo efeito, contanto que a espessura seja proporcional aos fios de cabelo.

Se você não quiser usar um boleador para esse fim, use um estilete para raspar a pintura e criar alguns fios de cabelo. O estilete vai tirar a carga da mina e expor o papel por baixo da camada de lápis de cor. O efeito fica ótimo e bem realista, e a técnica também pode ser usada para outros detalhes, além de fios de cabelo.

3// Borracha

Para criar áreas iluminadas na pintura, use uma borracha e tire o excesso de carga do papel. Essa é uma técnica bastante útil, pois, ao apagar o lápis de cor, se criam luzes homogêneas e bastante reais. É recomendado usar borrachas macias e que esfarelam e, caso queira iluminar pequenas áreas, use canetas-borracha. Tome cuidado para não esfregar a área com força e acabar rasgando o papel.

4// Algodão

Se você quiser pintar uma área grande com agilidade, use o farelo do lápis de cor e esfregue com um pedaço de algodão. A pintura fica uniforme e bem clarinha, mas é só você fazer várias camadas para deixar a cor mais vibrante. Eu uso principalmente quando quero dar um efeito de pastel seco no meu desenho.

5// Blender

O blender é um lápis sem pigmento à base de cera que serve para misturar cores e uniformizar a pintura. É muito superior ao lápis de cor branco para misturar, porque não deixa carga sobre a pintura e não embranquece as cores. Se você quiser saber mais sobre o uso de lápis de cor branco, acesse a primeira parte desse post.

6// Burnisher

O lápis burnisher, que também é usado para misturar cores, cria uma camada de cera sobre a pintura e confere um acabamento envernizado diferente de qualquer outro lápis. Ele também pode ser usado diretamente sobre o papel, o que impermeabiliza a área e impede a aderência de outros pigmentos.

7// Sobreposição de cores

Na sobreposição de cores, a pintura é feita em camadas, ou seja, a construção das cores se dá pela sobreposição delas. Se você quer usar uma determinada cor no seu desenho, mas não gosta do tom padrão que vem na caixa, você pode chegar a ela sobrepondo outras cores. Caso você queira usar vermelho, por exemplo, primeiro preencha a área com a cor mais clara, no caso, o amarelo, e depois faça uma camada com a cor mais escura por cima, no caso, o magenta. Sempre comece pela cor mais clara e vá sobrepondo as cores mais escuras, pois assim é possível perceber o resultado conforme se está pintando e as chances de erro são menores. Nessa técnica, as sombras são feitas com sobreposição de cinza e não com um tom mais escuro da cor em questão, o que deixa o resultado mais realista.

Espero que tenham gostado do post de hoje! Se vocês quiserem saber mais sobre o assunto, acessem também 7 dicas imperdíveis para colorir com lápis de cor #1 e Materiais de desenho.

Até mais!

Facebook  |  Twitter  |  Instagram da Mariana  |  Instagram da Nayara  |  DeviantArt  | Bloglovin’

Gostou? compartilhe
postado por
Nayara
Futura escritora e a mais velha das gêmeas. Gosto de desenvolver projetos e compartilhar o processo criativo nesse cantinho que tanto amo. Afinal, melhor do que criar é mostrar que é possível fazer as coisas você mesmo.
Continue Lendo
Olá, pessoal. Como vocês estão? Semana passada, recebemos um kit de materiais artísticos da Faber-Castell em comemoração ao dia do blog, 31/08, e como parte da campanha #ideiasfeitasamao, que tem como objetivo incentivar a criatividade por meio da produção manual. Nem preciso dizer o quanto ficamos felizes com o presente, né? Criamos o Gema há dois anos porque queríamos mostrar ao mundo a alegria de se criar as coisas...
Continue Lendo
Nesta semana foram revelados os vencedores do concurso da Faber Castell, onde os participantes deveriam fazer uma ilustração sobre o tema “Fantasia” usando materiais tradicionais, como lápis de cor, tinta nanquim e lápis de cor aquarelável. Foram selecionados 20 ilustrações e os três primeiros colocados foram premiados com produtos Faber Castell. Vejam as ilustrações: Primeiro lugar: Darja (21) de Rösrath, Alemanha. Segundo lugar: Hanie (30) de Kuching...
Continue Lendo
Para o concurso de ilustração da Faber Castell (mencionado aqui no blog), me inspirei em imagens sobre o tema fantasia no meu perfil no Pinterest. Para quem não conhece, a rede social é um ótimo meio para criar painéis de estilo para projetos de design e outros, uma vez que é possível colecionar fotos de um determinado tema para se inspirar, ver, rever, compartilhar e recompartilhar, se assemelhando...
Continue Lendo
Como foi dito aqui no blog, nós duas decidimos participar do concurso da Faber-Castell. (Caso alguém se interesse, acaba hoje, à meia-noite. Corra que ainda dá tempo!) O concurso, que tem como tema Fantasia, é voltado pra ilustrações no estilo mangá e deve ser pintado com lápis de cor. Tudo que eu mais gosto! Então não pensei duas vezes: uma grande oportunidade para voltar usar minha maleta...
Continue Lendo
A Faber Castell está promovendo um concurso de desenho com o tema “Fantasia: o mítico mundo de dragões, magos e herois” aberto a pessoas de todo o mundo acima de 14 anos. Para participar é preciso ter um desenho autoral com dimensão até o A3 (297 x 420mm) feito com lápis, lápis de cor, lápis aquarelável e/ou caneta de tinha indiana (acredito que seja caneta nanquim. Alguém...