Viagem
Conhecendo o Chile de norte a sul
Fotografia
6 on 6: abril de 2017
Fotografia
6 on 6: agosto de 2017
Dicas
Siga a Minka Winka nas redes sociais
Ilustração
Usando bico de pena pela primeira vez

ferramentas

Continue Lendo

Vez ou outra me perguntam quais são os materiais de desenho que eu uso, e como eu imagino que essa possa ser a dúvida de mais alguém, resolvi fazer essa postagem aqui no Gema. Selecionei alguns materiais que estão sempre na minha mesa e que recorro quando vou trabalhar com ilustração. Caso tenha interesse, você pode encontrar esses materiais em papelarias e lojas de suprimento de artes da sua cidade.

Recursos_2
1# Canetas Nanquim Sakura Pigma Micron

São canetas descartáveis a base de nanquim disponíveis em várias espessuras sendo a ponta 01 a minha favorita. Costumo usá-las nos contornos de ilustrações e em caligrafia, no que elas são ótimas.

2# Papel Canson diversos

O papel Canson é o destino final das minhas ilustrações; isto quer dizer que depois de feito o esboço em papel comum do tipo sulfite, transfiro-o para o papel Canson de gramatura alta (140, 200 ou 220g/m²) com ajuda de uma mesa de luz. Depois disso, faço a lineart com caneta nanquim e pinto com lápis de cor ou aquarela.

3# Borracha Pentel

De todas que já usei, a borracha Pentel é minha favorita. Ela não mancha, não esfarela muito e ainda apaga lápis de cor: tudo isso em uma única borrachinha!

4# Aquarela Winsor & Newton Linha Professional

É a aquarela de pigmento natural que uso para trabalhos de ilustração científica. Elas são excelentes para esse tipo de ilustração, e com elas eu consigo reproduzir fielmente todas as cores que preciso.

5# Apontador metálico

Depois de me frustrar com vários apontadores de plástico, comprei um apontador de metal, que está comigo até hoje! Se você tomar certos cuidados, como não soprar ou molhar a lâmina ou o apontador, ele não enferrujará e durará muito mais. Dica dada.

6# Canetas Naquim Uni Pin

Semelhante às canetas Sakura, as canetas Uni Pin também são excelentes para contorno e caligrafia. Recomendo fortemente as duas marcas: não sei dizer qual das duas é a melhor! Ah, acreditam que antes de descobrir as maravilhas das canetas nanquim eu usava caneta Bic preta para contornar meus desenhos? Eu terminava a ilustração com a palma da mão toda borrada, e se não tomasse cuidado, com o desenho também.

7# Lapiseiras Pentel

Utilizo lapiseiras da Pentel de várias espessuras para fazer desenhos técnicos e artísticos. Faço esboços com minha inseparável Pentel 0.7 que tem o grafite bem macio, e uso a 0.3 ou a 0.5 para fazer os detalhes. Comprei um conjunto de lapiseiras em meados de 2008 e elas estão comigo firmes e fortes até hoje.

8# Lápis de cor Caran d’Ache

Ganhei vários lápis da Caran d’Ache de aniversário e fiquei feliz da vida. Nunca tinha experimentado nenhum material artístico importado, e estava com as expectativas altas. Não me frustrei em nenhum momento. Diferentemente dos da Faber-Castell que estava costumada, os da Caran d’Ache são bem mais macios e pigmentados, o que quer dizer que se precisa de menos esforço para se atingir um tom específico ou se cobrir uma certa área.

9# Esfuminhos diversos

Eu tenho vários esfuminhos que uso em trabalhos pintados com grafite ou com lápis de cor. Muita gente deve saber que esfuminhos são usados para uniformizar pinturas com grafite. Mas vocês sabiam que eles também são ótimos para mesclar e uniformizar a pintura com lápis de cor? Dei essa dica num post anterior, vocês se lembram? Caso contrário, clique aqui.  Se essa dica é novidade para você, corra agora e faça o teste. Me fale se você gostou do resultado nos comentários, ok?

10# Tablet Intuos 4 da Wacom

Eu já tinha uma Bamboo há mais ou menos um ano, mas eu percebia que não estava evoluindo na pintura digital. Eu seguia tutoriais, fazia exercícios, pintava todos os dias, mas minha pintura continuava parecendo amadora. Então meu pai me deu uma Intuos 4 pequena, e em questão de dias, já tinha evoluído muito mais do que com a Bamboo. A Intuos é leve, macia e capta muitos níveis de pressão. Recomendo fortemente para quem tem interesse em ilustração digital.

11# Lápis de cor Faber-Castell

Desde criança uso lápis de cor da Faber-Castell e até hoje percebo sua qualidade. Dá para se fazer excelentes pinturas com a série escolar da marca assim como com a série profissional. Tenho lápis das duas séries e gosto demais da rigidez e da uniformidade que atinjo na pintura. Para quem está começando na pintura com lápis de cor, pode se exercitar com os lápis escolares da Faber que você não vai se arrepender.

12# Limpa tipos

O limpa tipos auxilia bastante quando se precisa clarear um esboço. Como o limpa tipos se assemelha a uma massinha de modelar, eu faço uma minhoca com as palmas das mãos e rolo por cima do esboço até ele ficar clarinho. Depois dessa etapa, uso minhas lapiseiras da Pentel, normalmente a 0,3 e a 0,5, e finalizo a ilustração. Quando se precisa apagar certos detalhes, basta fazer uma pontinha com a massa e apertar sobre o grafite. Sai na hora!

13# Lápis de cor Prismacolor

Assim como os da Caran d’Ache, os lápis de cores da Prismacolor são bem macios, e por isso os utilizo quando preciso cobrir áreas grandes.

14# Aquarela Pentel

Foi o primeiro estojo de aquarela que comprei na vida. Utilizo para pintar trabalhos mais experimentais e alguns esboços simples. Por ter pigmentos sintéticos, as cores são bem vibrantes e, por vezes, artificiais, o que não combina com ilustração científica — mas fica ótimo em trabalhos artísticos. Se você quer começar a pintar com aquarela, as da Pentel são boas para dar uma base técnica, te preparando para usar as aquarelas de pigmento natural futuramente.

Bem, é isso, pessoal!

Espero que tenham gostado. Se vocês utilizam algum material diferente do que eu citei, nos conte nos comentários!

 Facebook  |  Twitter  |  Instagram da Mariana  |  Instagram da Nayara  |  DeviantArt  | Bloglovin’

Leia mais sobre dicasferramentasmateriais
Gostou? compartilhe
postado por
Nayara
Futura escritora e a mais velha das gêmeas. Gosto de desenvolver projetos e compartilhar o processo criativo nesse cantinho que tanto amo. Afinal, melhor do que criar é mostrar que é possível fazer as coisas você mesmo.
Continue Lendo

A semana está um pouco corrida apesar de estarmos de férias, mas é porque estamos produzindo muito. Estamos preparando alguns projetos super legais para postar aqui no Gema e quem acompanha o meu Instagram e o da Mariana já deve ter visto uma palinha do que está por vir, mas caso não acompanhe, não perca mais tempo, prometo que tem muita coisa legal por lá.

Olha só:

Projetos de design e DIY em andamento

1. Projeto em andamento de pintura digital. Pretendo finalizar a ilustração em breve para mostrar o passo a passo para vocês aqui no Gema. Não vou falar muito sobre ela, porque vou detalhar no post que está por vir. Ah, já publiquei essa imagem na nossa FanPage no Facebook; se você ainda não viu, curta a página aqui para ter acesso a informações exclusivas!

2. Depois de tanto tempo só trabalhando digitalmente, bate aquela vontade de voltar a usar as ferramentas tradicionais. Depois que a Mariana comprou as caixas de lápis de cor da Maped, fiquei ansiosa para experimentar as cores. Em breve posto a ilustração finalizada.

3. Eu contei pra vocês que viajamos para São Paulo na semana passada? Poisé, nós matamos a saudade de Sampa e ainda trouxemos algumas coisinhas legais de lá. O lugar que eu tava mais ansiosa para ir era a Daiso, uma loja com produtos japoneses todos a R$6,90. Compramos algumas ferramentas, como um estilete, duas facas de corte circular, dois pares de meias fofíssimas <3 e um agulhão, que vai ser super útil para as nossas empreitadas com couro sintético.

4. Essa é uma pequena amostra da ilustração científica feita pela Mariana. Para aqueles que não sabem, ela concluiu o curso de ilustração semana passada e essa foi uma das pranchas finais que ela expôs na UnB. A técnica utilizada foi o pontilhismo e em breve ela contará como foi o processo e dará algumas dicas para os interessados nessa técnica.

5. Depois de ver a Fanpage do Will Costa e descobrir os materiais que ele utiliza, corremos para comprar os tais lápis de cor da Maped. Como aqui em Brasília não havíamos encontrado a caixa com 48 cores, acabamos comprando a de 12 mesmo, só para testar. Acontece que durante a nossa viagem para São Paulo acabamos esbarrando na caixa de 48 cores lá no Armarinhos Fernando, não preciso nem dizer que corremos para comprar, né?

6. Essa foto eu já postei no meu Instagram. É o processo de um painel geométrico com uma vibe meio galáctica que eu estou desenvolvendo e que será mostrado aqui no blog na semana que vem. Não vou falar muito mais porque o post já está programadinho com todas as informações.

7. Esse é o Fernandão, nosso vira-lata que é fissurado numa caixa. Nós passamos a última semana coletando todos os tipos possíveis de caixa para podermos dar início ao projeto do Mini Estúdio Fotográfico. Até o momento temos 10 caixas e nenhum estúdio, será que ele ainda sai? Vamos torcer para a resposta ser sim!

8. Essa é a foto da tal galáxia que eu usei para o projeto do painel geométrico. Eu fiz ela do zero no Photoshop. Se alguém se interessar, eu posso mostrar o tutorial aqui no blog. Alguém tem interesse? Deixe uma mensagem nos comentários.

9. Há algum tempo a Mariana comprou um Sketchbook da Canson tamanho A4 e ainda não tinha estreado. Com a chegada das caixas lápis de cor, ela se sentiu intimada a fazer um desenhinho qualquer e acabou fazendo esse da imagem. Ela aproveitou e fotografou todo o processo para uma postagem futura. Os que acompanham o Instagram dela já podem conferir o andamento da pintura.

Por enquanto é isso, pessoal!

Obrigada pela visita e até a próxima!

 

Facebook  |  Twitter  |  Instagram da Mariana  |  Instagram da Nayara  |  DeviantArt  | Bloglovin’  |

 

Gostou? compartilhe
postado por
Nayara
Futura escritora e a mais velha das gêmeas. Gosto de desenvolver projetos e compartilhar o processo criativo nesse cantinho que tanto amo. Afinal, melhor do que criar é mostrar que é possível fazer as coisas você mesmo.